OMS FANTOCHE da CHINA: Secretário americano Mike Pompeo manda recado a Xi Jinping afirmando que são contra as táticas coercitivas do Partido Comunista chinês






Com informações do portal Terça Livre

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, escreveu em comunicado que os Estados Unidos estão ao lado de seus aliados e parceiros “contra as táticas coercitivas de intimidação do Partido Comunista Chinês”. No documento, Pompeo afirma que Pequim ameaçou punir o banco britânico HSBC e quebrar o compromisso de construir usinas nucleares no Reino Unido, “a menos que Londres permitisse que a Huawei construísse sua rede 5G”.
“A Huawei, com sede em Shenzhen, é uma extensão do estado de vigilância do Partido Comunista Chinês”, diz Pompeo. Segundo o secretário, a pressão do país asiático sobre o HSBC deve servir como “advertência”.




“Na semana passada, o CEO do banco na Ásia-Pacífico, Peter Wong, membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, assinou uma petição apoiando a decisão desastrosa de Pequim de destruir a autonomia de Hong Kong”, ressalta Pompeo, em referência a nova lei de segurança nacional que a China decidiu impor no território autônomo.
Para Pompeo, o “comportamento agressivo” do governo chinês “mostra por que os países devem evitar a dependência econômica da China”. O secretário afirmou, ainda, que os EUA estão prontos para ajudar o Reino Unido “com qualquer necessidade que eles tenham, desde a construção de usinas nucleares seguras e confiáveis até o desenvolvimento de soluções 5G confiáveis que protejam a privacidade de seus cidadãos”.
Mike Pompeo também exigiu nesta quarta-feira (10/6) que a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) explique seu papel no envio de médicos cubanos ao Brasil e advertiu que o dinheiro dos contribuintes americanos irá para organismos afins a seus “valores”. O chefe da diplomacia americana acusou a OPAS, braço regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), de “facilitar o trabalho forçado” de médicos cubanos, por intermédio do programa “Mais Médicos” do Brasil.
O programa “Mais Médicos” foi lançado em 2013 no Brasil pela então presidente Dilma Rousseff (2011-2016) para fornecer serviços sanitários a regiões pobres e zonas rurais, através de um convênio com a OPAS. “A OPAS/OMS é a organização a cargo de facilitar a migração profissional temporária dos médicos cubanos e monitorar sua inserção nas equipes de atenção básica”, informou o próprio organismo a respeito deste “acordo de cooperação sul-sul” assinado com os dois países.




Ao renovar o acordo em 2016, Etienne agradeceu aos dois países a oportunidade que representou para o bloco regional “servir-lhes no processo” que possibilitou o programa. Mas em novembro de 2018, o governo cubano retirou seus médicos antes da posse do atual presidente, Jair Bolsonaro, que tinha comparado com a escravidão que os médicos tivessem que entregar parte do salário ao governo cubano.
Em dezembro de 2018, quatro dos médicos cubanos que desertaram processaram a OPAS numa corte federal em Miami por seu papel no “Mais Médicos”. Seu advogado, Samuel J. Dubbin, disse à AFP em setembro de 2019 que “por cada dólar que o Brasil pagava pelos serviços dos médicos, a OPAS enviava 85% a Cuba, entre 5% e 10% para os médicos e a OPAS ficava com os 5% restantes”.
“A OPAS deve explicar como chegou a ser o intermediário de um plano para explorar os trabalhadores médicos cubanos no Brasil”, disse Pompeo a jornalistas.
“Precisa explicar como chegou a enviar US$ 1,3 bilhão ao regime assassino de Castro” “por que não buscou a aprovação do Conselho Executivo, seu próprio Conselho Executivo, para participar deste programa”, acrescentou.
Além disso, pediu à OPAS para “explicar quem na organização aprovou um acordo potencialmente ilegal” e “o que ele fez com os US$ 75 milhões que levantou quando negociou este programa”.




Pompeo afirmou que o órgão regional, cuja fundação foi promovida pelos Estados Unidos há mais de um século, “precisa realizar reformas para impedir que essas coisas aconteçam novamente”. E enfatizou que o governo Donald Trump quer garantir que o país financie instituições que apoiam os valores democráticos. Trump anunciou recentemente a decisão de cortar os vínculos do país com a OMS, acusando-a de ser um “fantoche” da China durante a pandemia de COVID-19.
“Como fizemos com a OMS, a administração Trump exigirá a prestação de contas de todas as organizações internacionais da saúde que dependem dos recursos dos contribuintes americanos”, afirmou Pompeo. “Nosso dinheiro deve respaldar coisas que criam valor e respaldem nossos valores”.
Carissa Etienne, diretora da OPAS, disse no fim de abril a jornalistas que “60% do financiamento da OPAS provêm do governo americano”, mas não especificou a quantia do aporte, que tachou de “realmente central” para a instituição.
A venda de serviços médicos é a principal fonte de renda de Cuba, que em 2018 ganhou 6,3 bilhões de dólares por suas missões em todo o mundo, segundo cifras oficiais. O objetico do programa “Mais Médicos” era justamente atender financeiramente o Governo cubano


Compartilhe e alcance mais pessoas:

Siga-nos no Twitter:



Fechados com Bolsonaro! 🇧🇷🤝
Grupo Público · 9.049 membros
Participar do grupo